O Desempenho Orçamentário, Financeiro e Patrimonial do Município de São Francisco do Conde/Ba: Uma Análise Sobre a Sustentabilidade das Contas Municipais

  • Jayne Mesquita da Silva Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB
Palavras-chave: Demonstrativos Fiscais. Demonstrações Contábeis. Equilíbrio Fiscal

Resumo

A análise do desempenho orçamentário, patrimonial e fiscal dos entes públicos, através de técnicas de análise dos demonstrativos contábeis e fiscais, é ferramenta essencial para boa gestão fiscal e orçamentária. Em 2011, a STN escolheu o município de São Francisco do Conde como município-piloto na implantação das regras internacionais de contabilidade. Considerando esse contexto municipal como um cenário propício para um bom desempenho das contas públicas, este trabalho buscou analisar o desempenho das finanças de São Francisco do Conde entre 2015 e 2019. Identificou-se no município uma gestão orçamentária satisfatória, uma gestão patrimonial equilibrada, mas com necessidade de atuação para evitar desequilíbrios, e uma má gestão fiscal, com insuficiência de caixa, acúmulo de obrigações, e descontrole sobre as receitas municipais, com alta dependência de outros entes, evidenciando um panorama preocupante com relação a sustentabilidade fiscal

Referências

Abrucio, Fernando Luiz e Maria Rita Loureiro. 2005. “Finanças Públicas, democracia e accountability”. Em Economia do Setor Público no Brasil, editado por Paulo Arvate e Ciro Biderman. São Paulo:
Campus.
Andrade, Nilton de Aquino. 2013. Contabilidade Pública na Gestão Municipal. 5. ed. São Paulo: Atlas.
Araújo, Fernando Graça Klautau de. 2008. “As contas públicas do Estado do Rio de Janeiro face à legislação de responsabilidade fiscal e previdenciária: 2000 a 2007”. Mestrado em Administração Pública,
Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getulio Vargas.
Assaf Neto, Alexandre. 2012. Estrutura e análise de balanços: um enfoque econômico-financeiro. 10.
ed. São Paulo: Atlas.
Brasil. Conselho Federal de Contabilidade. NBC TSP Estrutura Conceitual. Brasília, 23 de setembro
de 2016.
Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil.
Brasil. Emenda Constitucional nº 95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial
da União, Brasília, 15 de dezembro de 2016.
Brasil. Emenda Constitucional nº 109, de 15 de março de 2021. Diário Oficial da União, Brasília, 16
de março de 2021.
Brasil. Lei complementar nº 101, de 4 de maio de 2000. Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. Diário Oficial da República
Federativa do Brasil, Brasília, DF, 5 mai. 2000.
Brasil. Lei complementar nº 178, de 13 de janeiro de 2021. Diário Oficial da União, Brasília, 13 de
janeiro de 2021.
Brasil. Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964. Estatui Normas Gerais de Direito Financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito
Federal. Diário Oficial da União, Brasília, 23 de março de 1964.
65
Brasil. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso
XXXIII do art. 5º, no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal; altera a
Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei nº 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos
da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 18
de novembro de 2011.
Brasil. Lei nº 10.028, de 19 de outubro de 2000. Altera o Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de
1940 – Código Penal, a Lei no 1.079, de 10 de abril de 1950, e o Decreto-Lei no 201, de 27 de fevereiro
de 1967. Diário Oficial da União, Brasília, 20 de outubro de 2000.
Brasil. Portaria nº 42, de 14 de abril de 1999. Atualiza a discriminação da despesa por funções de que
tratam o inciso I do § 1º do art. 2º e § 2º do art. 8o, ambos da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964,
estabelece os conceitos de função, subfunção, programa, projeto, atividade, operações especiais, e dá
outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 15 de abril de 1999.
Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional – STN. 2012. Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público – MCASP. 5. ed.
__________. Secretaria do Tesouro Nacional – STN. 2018a. Manual de Contabilidade Aplicada ao
Setor Público – MCASP. 8 ed.
__________. Secretaria do Tesouro Nacional – STN. 2020. Manual de Demonstrativos Fiscais – MDF.
10 ed.
__________. Secretaria do Tesouro Nacional – STN. 2018b. IPC 14 – Procedimentos Contábeis Relativos aos RPPS.
Brasil. Portaria nº 501, de 23 de Novembro de 2017. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 24 de nov.
de 2017.
Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional – STN. SICONFI - Sistema de Informações Contábeis e Fiscais
do Setor Público Brasileiro. Acessado em 05 de out. de 2020. https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/
index.jsf.
Bresser-Pereira, Luiz Carlos. A Reforma da Administração Pública. 1996. In: Bresser-Pereira, L. C.
Crise Econômica e Reforma do Estado no Brasil. São Paulo: Editora 34, 1996. cap. 16, p. 269-294.
Acessado em 06 de nov de 2019. http://www.bresserpereira.org.br/documento/88.
66
Revista Cadernos de Finanças Públicas, Brasília, Volume 02, p. 1-69, 2022
CAMPELLO, Carlos Alberto G. Barreto e Alberto Borges Matias. 2000. Administração Financeira
Municipal. 1ª ed. São Paulo: Atlas.
Campos, Anna Maria. 1990. “Accountability: Quando Poderemos Traduzi-La Para O Português?”. Revista de Administração Pública 24 (2). Rio de Janeiro, RJ:30 a 50. https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/
index.php/rap/article/view/9049.
Cruz, Cláudia Ferreira da. 2015. “Responsabilidade na Gestão Fiscal: um estudo em grandes municípios com base nos pilares da Lei de Responsabilidade Fiscal no período de 2010-2013”. Doutorado
em Ciências, Universidade de São Paulo. Acessado em 01 de maio de 2021. https://www.teses.usp.br/
teses/disponiveis/12/12136/tde-25062015-094403/publico/TeseClaudiaCruzVC.pdf
Debus, Ilvo e Edson Ronaldo Nascimento. 2002. Entendendo a lei de responsabilidade fiscal. 2.ed.
Brasília: Secretaria do Tesouro Nacional. Acessado em 20 de fev de 2020. http://tesouro.fazenda.gov.
br/documents/10180/0/EntendendoLRF.pdf.
Dias, Fernando Álvares Correia. 2009. O controle institucional das despesas com pessoal. Centro de
Estudos da Consultoria do Senado Federal: Textos para discussão, 54. Brasília. Acessado em 26 de jul.
de 2021. https://www12.senado.leg.br/publicacoes/estudos-legislativos/tipos-de-estudos/textos-para-
-discussao/td-54-o-controle-institucional-das-despesas-com-pessoal.
Diniz, Josedilton Alves e Severino Cesáreo de Lima. 2016. Contabilidade Pública: Análise Financeira
Governamental. 1. ed. São Paulo: Atlas.
Feijó, Paulo Henrique. 2020. “Os Tipos de Equilíbrio em Finanças Públicas: Intertemporal x Intergeracional”. Grupo Gestão Pública. Acessado em 12 de maio de 2021. https://www.gestaopublica.com.br/
os-tipos-de-equilibrio-em-financas-publicas-intertemporal-x-intergeracional%c2%b9/.
Filgueiras, Fernando. 2018. “Accountability, democracia e políticas públicas no Brasil”. Em Governança, qualidade da democracia e políticas públicas: teoria e análise, editado por Marta Maria Assunção
Rodrigues. Rio de Janeiro. UFRJ
FIRJAN - Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. 2019. Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IFDM). Rio de Janeiro, 2019. Acessado em 17 de dez de 2020. https://www.firjan.
com.br/data/files/8F/50/19/81/B2E1E610B71B21E6A8A809C2/IFGF-2019_estudo-completo.pdf.
67
Índices&Indicadores. 2021. “IGP-M – Índice Geral de Preços do Mercado: Índices de Inflação”. Índices&Indicadores. Acessado em 18 de fev de 2021. https://www.indiceseindicadores.com.br/igp-m/.
IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. “IBGE Cidades”. Acessado em 28 de maio de
2021. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/sao-francisco-do-conde/panorama.
IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2019. “Indicadores IBGE: Contas Nacionais
Trimestrais/ Indicadores de Volume e Valores Correntes”. Acessado em 18 de fev de 2021. https://
biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/2121/cnt_2019_4tri.pdf.
IRB – Instituto Rui Barbosa. “Reunião Acordo STN”. 2021. Acessado em 01 de jun. de 2021. https://
irbcontas.org.br/eventos/reuniao-acordo-stn/.
O ‘Donnell, Guillermo. 1998. “Accountability horizontal e novas poliarquias”. Lua Nova [online], São
Paulo, n.44. https://doi.org/10.1590/S0102-64451998000200003.
Oliveira, J. A. L. 2018. “Crise fiscal: a análise de demonstrações contábeis como uma técnica para a avaliação da gestão pública e o controle social.”. Mestrado em Administração Pública. Universidade Federal Fluminense. Acessado em 03 de nov de 2019. https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=6459012.
Pinho, José Antonio Gomes de, e Ana Rita Silva Sacramento. 2009. “Accountability: Já Podemos Traduzi-La Para O Português?”. Revista De Administração Pública 43 (6). Rio de Janeiro, RJ:1343 a 1368.
https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6898.
Przeworski, Adam. 1998. “Sobre o desenho do Estado: uma perspectiva agent X principal”. Em Reforma do Estado e administração pública gerencial, editado por Luiz Carlos Bresser Pereira e Peter Kevin
Spink. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.
Richardson, Roberto Jarry e colaboradores. 2007. Pesquisa Social: Métodos e Técnicas. 3ª Ed. São
Paulo: Atlas.
Rocha, Arlindo Carvalho. 2011. “Accountability Na Administração Pública: Modelos Teóricos E
Abordagens”. Journal of Accounting, Management and Governance 14 (2). Brasília-DF. https://www.
revistacgg.org/contabil/article/view/314.
68
Revista Cadernos de Finanças Públicas, Brasília, Volume 02, p. 1-69, 2022
Santana, Jaciara. 2011. “São Francisco do Conde e o enigma da riqueza e da pobreza no Recôncavo
Baiano”. Mestrado, Universidade Católica do Salvador, Salvador, 2011. Acessado em 21 de jul. de 2021.
http://ri.ucsal.br:8080/jspui/bitstream/123456730/247/1/Dissertacao%20Jaciara.pdf.
Serodio, Guilherme. 2020. “Maioria das grandes cidades ganharia com reforma da PEC 45, diz economista do IPEA.” Agência EPBR. 19 de ago. de 2020. Acessado em 26 de jul. de 2021. https://epbr.com.
br/maioria-das-grandes-cidades-ganharia-com-reforma- da-pec-45-diz-economista-do-ipea/
Slomski, Valmor. 2013. Manual de Contabilidade Pública: de acordo com as normas internacionais de
contabilidade aplicadas ao setor público (IPSASB/ IFAC/ CFC). 3. ed. São Paulo: Atlas.
STN - Secretaria do Tesouro Nacional. 2019. Boletim de Finanças dos Entes Subnacionais. Brasília.
Acessado em 15 de mar de 2020. http://sisweb.tesouro.gov.br/apex/cosis/thot/transparencia/arquivo/30407:981194:inline:9731352684720.
STN - Secretaria do Tesouro Nacional. Ranking da qualidade da informação contábil e fiscal no Siconfi - 2020. Acessado em 26 de jul. de 2021. https://ranking-municipios.tesouro.gov.br/.
TCE/PR - Tribunal de Contas do Estado do Paraná. 2018. Contas do Governador – exercício 2017.
Curitiba. Acessado em 01 de jun. de 2021. sustentabilidade.pdf.
TCM/BA - Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia. e-TCM Consulta Pública. Acessado em 06 de out de 2020. https://e.tcm.ba.gov.br/epp/ConsultaPublica/listView.seam.
TCU – Tribunal de Contas da União. 2021. “TCU, OCDE e nove tribunais de contas discutem ferramenta inédita para fiscalizações conjuntas na Educação”. Acessado em 01 de jun de 2021. https://
portal.tcu.gov.br/imprensa/noticias/tcu-ocde-e-nove-tribunais-de-contas-discutem-ferramenta-inedita-para-fiscalizacoes-conjuntas-na-educacao.html.
TCU - Tribunal de Contas da União. Cartilha de Fatos Fiscais. Brasília, 2020. Acessado em 17 de dez
de 2020. https://portal.tcu.gov.br/fatos-fiscais-2019.htm.
Valéria, Ana. 2019. “Venda da Refinaria Landulpho Alves, na Bahia, preocupa funcionários e prefeitura”. G1 Bahia, 30 de abr. de 2019. Acessado em 12 de maio de 2021. https://g1.globo.com/ba/bahia/
noticia/2019/04/30/venda-da-refinaria-landulpho-alves-na-bahia-preocupa-funcionarios-e-prefeitura.ghtml.
69
Vignoli, Francisco Humberto. 2005. “Legislação e execução orçamentária”. Em Economia do Setor
Público no Brasil, editado por Paulo Arvate e Ciro Biderman. São Paulo: Campus.
Yin, Robert K. 2015. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman
Publicado
2022-09-15
Como Citar
Mesquita da Silva, J. (2022). O Desempenho Orçamentário, Financeiro e Patrimonial do Município de São Francisco do Conde/Ba: Uma Análise Sobre a Sustentabilidade das Contas Municipais. CADERNOS DE FINANÇAS PÚBLICAS , 22(02). https://doi.org/10.55532/1806-8944.2022.180